terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Projeto Cine & Música apresenta:

O GABINETE DAS FIGURAS DE CERA, de Paul Leni e Leo Birinsky



Os cenários tridimensionais causam uma terrível estranheza no espectador; as partes internas do palácio são labirínticas, com escadas tortuosas e irreais que mais parecem um formigueiro do que um interior palaciano. As casas, assim como seus interiores, têm uma aparência disforme e claustrofóbica. Leia mais em http://www.sesc.com.br/wps/wcm/connect/9b29a56b-b5f4-4db9-b411-58dc46d234ff/WEB_SombrasQAssombram.pdf?MOD=AJPERES&CACHEID=9b29a56b-b5f4-4db9-b411-58dc46d234ff

Hoje, no Cine Olympia, às 18h30. Execução ao vivo do pianista Paulo José Campos de Melo.

Parceria com a Fundação Carlos Gomes. A entrada é gratuita.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Cineclube Alexandrino Moreira apresenta O Cinema de Werner Herzog
"O Grande Êxtase do Escultor Steiner"(média metragem, 1974) e "Terra do Silêncio e da Escuridão"(1971)


Já no plano de abertura, Werner Herzog não se inibe de denunciar o fascínio com que filma o personagem título de O Grande Êxtase do Escultor Steiner. Quando o corpo do esquiador Walter Steiner decola pela rampa de neve e é suspenso no ar para o salto, o diretor evidencia não apenas a condição de documentarista para a qual foi contratado, mas sobretudo a de um admirador. Neste instante, a opção pelo slow motion dilata a relação entre tempo e ação e transforma o voo de Steiner em um momento de êxtase não só para o personagem ... Leia mais em http://multiplotcinema.com.br/2012/05/o-grande-extase-do-escultor-steiner-werner-herzog-1974/

Nesta segunda, 13, às 7 da noite, na Casa das Artes. Entrada franca com debate após a exibição. Realização ACCPA. Obs. A homenagem ao diretor Werner Herzog será complementada no dia 06/03 com o filme "Encontros do Fim do Mundo"(2007).  

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Programação ACCPA - Fevereiro/2017



Cineclube Alexandrino Moreira (Casa das Artes) - 19 h
"O Cinema de Werner Herzog"
Dia 13 - "O Grande Êxtase do Escultor Steiner"(média metragem, 1974)/"Terra do Silêncio e da Escuridão"(1971)
Obs. A homenagem ao diretor Werner Herzog será complementada no dia 06/03 com o filme "Encontros do Fim do Mundo"(2007) 


Sessão Cult (Cine Líbero Luxardo) - 14h30m 
Dia 04 - "Nashville"(1975) de Robert Altman 


Cineclube da Casa da Linguagem (Oficinas Curro Velho) - 18 h
Dia 23 - "Farenheit 451"(1966) de François Truffaut 



Cine FIBRA - 18 h
Dia 18 - "Sinfonia de Paris"(1951) com Gene Kelly

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

 Zabriskie Point, de Michelangelo Antonioni




Por Augusto Pachêco



Como falar sobre a obra máxima de Michelangelo Antonioni, escolher um filme a considerar obra-prima entre os vários títulos importantes da carreira do cineasta italiano que, se não inventou, praticamente marcou seu trabalho com o legado da estética da incomunicabilidade na sétima arte?

“Zabriskie Point”, concluído em 1970, depois de quatro anos de produção e filmagens, foi realizado no momento de gozo de suas qualidades de cineasta (“Blow up” foi um sucesso inesperado no mercado americano). A produção de Carlo Ponti permitiu um olhar autoral sobre a América, um filme de estrada que usa planos abertos para captar o clima de rebelião ao estado das coisas e que reflete a virada de uma década de utopias para outra em que as dúvidas sobrepuseram certezas revolucionárias.

Antonioni sempre foi cineasta de seu tempo. Contemporâneo dos neorrealistas, não se agrupou esteticamente ao movimento de renovação do cinema italiano pós-Segunda Guerra. Para ele, a janela do cinema estaria mais próxima de uma sensação de deslocamento. A perplexidade da câmera tendo como foco a indiferença e coisificação da condição humana, tão bem exposta na tetralogia formada por “A Aventura”, “O Eclipse”, “A Noite” e “Deserto Vermelho”.

Em “Blow Up - Depois daquele Beijo”, “Zabriskie Point” e “O Passageiro – Profissão Repórter”, Antonioni dá asas à imaginação e corre pelo mundo, reinventa o cinema e questiona o que assistimos como realidade. Refaz ficção e documentário como artista inquieto, incita a dúvida e põe em xeque o poder das imagens.

Na odisseia pelas estradas da América, propõe um balanço das utopias no calor das discussões dos movimentos estudantis, em cortes rápidos, cabelos, cigarros, palavras de ordem e confronto de ideias. No embate, o equilíbrio distante entre teoria e prática, o confronto com a força policial, a dispersão inevitável com perdas e derramamento de sangue, com direito a participação de Katherine Cleaver, dos Panteras Negras, e radicais desqualificando militantes na sempre agônica guerra de ideias e ideais. 

Do outro lado, a especulação imobiliária em negócios faraônicos, a publicidade das coisas (os bonecos como representação dos humanos), o investimento em segurança e outdoors com ilustrações de porcos e vacas ao som de ruídos que acompanham o movimento de Mark, que compra armas de fogo com a facilidade legalista que “naturaliza” o comércio armamentista em vários estados americanos.

Na oposição entre o ideal revolucionário e o hedonismo da cultura hippie, Antonioni promove o encontro de Mark e Daria no Ponto Zabriskie, localizado no Vale da Morte, na Califórnia. É nesta sequência que Antonioni oferece um dos momentos mais belos da história do cinema moderno, abrindo espaço para a digressão dos personagens, numa pausa para a celebração de paz e amor sobre pequenas nuvens de gesso que cobrem os corpos em jogos sensuais. É a revolução do amor livre, dos corpos em movimento no ideal de revolucionar sem violência, no delírio que alcança o sublime na fotografia de Alfio Contini e o grupo de atores do Open Theatre. 

Assim como Bernardo Bertolucci (em “O Céu que nos Protege”) e Anthony Minghella (em “O Paciente Inglês”), o deserto para Antonioni é a possibilidade de ir além da propaganda enganosa dos produtos desnecessários e do soterramento de imagens que pouco ou nada dizem quando o assunto é cinema. Aqui, o deserto aparece como a possibilidade de novas motivações, sejam cromáticas ou existenciais.     

O final antológico ao som de “Come in Number 51 (Your Time Is Up)”, da banda Pink Floyd, traz para a tela o som poderoso de uma das melhores bandas do rock psicodélico e progressivo. No resort construído sobre grandes pedras, onde os burocratas da especulação tramam novas agressões ao meio ambiente em favor do capital pelo capital, o cinema de Antonioni provoca o espectador com a mesma verve da inquietude e um certo ceticismo antes anunciado em “O Estrangeiro”, de Luchino Visconti; e “Sem Destino”, de Dennis Hopper. 

“Zabriskie Point” é um filme para assistir pela primeira vez ou rever sempre, pois o que fica é a capacidade da obra de arte em continuar contemporânea, para deleite dos cinéfilos e novas correlações para os dias de hoje.

O filme será exibido nesta segunda, 30 de janeiro, às 7 da noite, no Cine Clube Alexandrino Moreira (Casa das Artes), numa realização da ACCPA. A entrada é franca, com debate após a exibição do filme.







domingo, 22 de janeiro de 2017

Cineclube da ACCPA apresenta:

DESERTO VERMELHO, de Michelangelo Antonioni. Com Monica Vitti


Para um filme cujo uso de cor é tão famoso (o filme está na listinha dos dez melhores usos de cor em todo o cinema não americano para Martin Scorsese), Deserto Vermelho nem oferece o deslumbre imaginado. A cor no filme funciona – sublime, impecável – num sentido de construção dramática, utilizando alguns tons pastosos, híbridos, insidiosos, saturando a imagem e dando a ela um sentimento arrastado dum espaço pouco agradável. Verde musgo ou vermelho exagerado, as cores não exercem uma função puramente ornamental (como os filmes geralmente elogiados como "muito coloridos"), mas funcionam para construir uma atmosfera e dar o tom de indefinição sentimental e asfixia em que vive a personagem de Giuliana.

Segunda, 23, no Cineclube Alexandrino Moreira (Casa das Artes), às 7 da noite. 
Entrada franca. Debate após a exibição.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Sessão Cult apresenta 
TESTA DE FERRO POR ACASO
De Martin Ritt. Com Woody Allen
A imagem pode conter: 1 pessoa, óculos de sol, óculos e close-up
O clima de paranoia em relação ao comunismo era tão grande que qualquer pessoa que tivesse alguma inclinação esquerdista, ou alguma simpatia com as ideias da foice e do martelo eram perseguidas. Neste cenário desolador, onde acusar amigos e parceiros de trabalho era prática encorajada pelas autoridades, Martin Ritt, um talentoso roteirista e diretor de tevê, se viu obrigado a abandonar seu emprego e buscar oportunidades no teatro, visto que seu nome na lista negra o impedia de conseguir outras funções. Com o fim da caça aos comunistas, em 1956, Ritt começou seus trabalhos no cinema. Mas foi apenas 20 anos depois que ele conseguiu colocar algumas de suas experiências em filme, com o ótimo Testa-de-Ferro por Acaso, roteirizado pelo também listado Walter Bernstein. Leia mais em http://www.papodecinema.com.br/fil…/testa-de-ferro-por-acaso

Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=QuAWRf1CmiQ
Neste sábado, às 3 da tarde, no Cine Líbero Luxardo.
Entrada franca. Debate após a exibição.

domingo, 15 de janeiro de 2017

Programação Cineclube da ACCPA - Janeiro/2017



Cineclube Alexandrino Moreira (Casa das Artes) - 19 h*
"O Cinema de Michelangelo Antonioni "
Dia 23 - "Deserto Vermelho"(1966)
Dia 30 - "Zabriskie Point"(1970)


Cine Líbero Luxardo - Sessão Cult - 15 h*
Dia 21 - "Testa de Ferro por Acaso"(1976) de Martin Ritt com Woody Allen.


Cine FIBRA (Auditório faculdade FIBRA) - 18 h
Dia 28 - "De-Lovely: Vidas e Amores de Cole Porter"(2003)

*Debate após a exibição
Entrada franca

Arquivo do blog