segunda-feira, 25 de julho de 2016

Cine Olympia apresenta:
"PICKPOCKET: O BATEDOR DE CARTEIRAS"
De: Robert Bresson

Bresson antecipa um sentimento que se tornaria fortíssimo no cinema pós-maio de 1968: a errância distópica de Profissão Repórter, Badlands e O Último Tango em Paris. Aqui, porém, o reencontro com a epifania é mais do que possível; ele pode ser produzido pela arte. Michel vivenciou o sublime por três minutos, e percorreu os mais estranhos caminhos para encontrá-lo novamente. Leia mais em www.revistacinetica.com.br/pickpocket.htm

No Cine Olympia. Até 3 de agosto, às 6 e meia da tarde (exceto segunda, 25). Entrada franca. Apoio: Cinemateca Francesa
Projeto Cinema & Música apresenta:



O CORCUNDA DE NOTRE DAME, de Wallace Worsley



Hollywood durante a década de 20 era muito reticente quanto ao cinema de horror. Diferente do que vinha sendo feito na Europa, onde alguns clássicos do gênero já haviam despontado como O Gabinete do Dr. Caligari e Nosferatu – Uma Sinfonia de Horror, na terra do Tio Sam o gênero era pouco ou quase nada explorado. Foi nesse cenário que dois nomes fizeram história, começando por O Corcunda de Notre Dame: Lon Chaney e Carl Laemmle.  Leia mais em 101horrormovies.com/2012/11/08/6-o-corcunda-de-notre-dame-1923

1923. P&B / Mudo / 95 min.  Baseado na obra de Victor Hugo.


Nesta terça, 26, às 6 e meia da tarde. Acompanhamento musical: Paulo Campos de Melo. Entrada franca. 
Cineclube da ACCPA apresenta: O Cinema de Roberto Rosselini

EUROPA 51. Com Ingrid Bergman


Entrevistado na época do lançamento de Europa 51, Rossellini explicou que seu filme denuncia uma divisão no mundo: entre aqueles que desejam salvar a fantasia e aqueles que desejam destruí-la. Todos nós temos, explicou Rossellini, um lado brincalhão e outro que é seu exato oposto. O cineasta acreditava que nossa tendência é esquecer o lado brincalhão, o que pode levar a graves consequências, pois o mundo da fantasia aí contido perde cada vez mais espaço para uma visão mais concreta da realidade. Sucumbiria então o sentimento de humanidade, criando um robô que seria capaz de pensar eliminando seu lado humano. Leia mais em
http://cinemaitalianorao.blogspot.com.br/2010_04_01_archive.html

Segunda, 25 de julho, às 7 da noite, no Cineclube Alexandrino Moreira – Casa das Artes. Entrada franca e debate após a exibição

terça-feira, 19 de julho de 2016

Cine Líbero Luxardo faz maratona da Trilogia Before, com entrada franca

 (por Dedé Mesquita)

Uma das trilogias mais queridas do cinema mundial não tem um único efeito especial, como é de costume de outras trilogias cinematográficas como “Star Wars”, “De Volta Para o Futuro” ou até mesmo “Os Caçadores da Arca Perdida”. Aliás, nessa trilogia, o único ‘efeito especial’ é “a vida e nada mais”. Ora, ora, estamos falando da “Trilogia Before”, uma alusão ao termo em inglês para “antes”.
O Cine Líbero Luxardo, do Centur, passa exibir nesta segunda-feira, 18, com entrada gratuita essa trilogia tão querida: “Antes do Amanhecer”, “Antes do Pôr do Sol” e “Antes da Meia Noite”, com direção de Richard Linklater, e colaboração dos dois atores dos filmes, Julie Delpy e Ethan Hawke.
A programação é seguinte: segunda-feira, 18, às 19h, “Antes do Amanhecer”, na terça, 19, às 19h, “Antes do Pôr do Sol”, na quarta, 20, às 19h, “Antes da Meia-Noite”, na quinta-feira, 21, Maratona da Trilogia Before, às 16h, “Antes do Amanhecer”, às 18h, “Antes do Pôr do Sol”, e às 20h, “Antes da Meia-Noite”. Tudo com entrada franca.
Oportunidade mais que rara é essa de ver todos os filmes juntos. A trilogia concebida por Linklater, diretor também de filmes como “Boyhood”, é inspirada em um encontro do diretor com uma garota chamada Amy Lehraupt, em 1989, que morreu antes do começo das filmagens do primeiro longa metragem do que se tornaria uma série, mais tarde. O encontro em uma loja de brinquedos, durante uma viagem, proporcionou uma noite de caminhada e diálogos sobre “arte, ciência, filmes e coisas”.
A trilogia mostra a história do casal Jesse e Celine, ele, americano, e ela, francesa, abordando o acaso dos encontros, em diálogos sobre o verdadeiro significado do amor.
O primeiro filme é de 1995, e mostra quando o casal se conhece em um trem e decide passar a noite em Viena, na Áustria. Como não sabem se terão a chance para se ver novamente, decidem passar as 14 horas que lhes restam juntos.
O segundo filme é de 2004, e tem a colaboração do roteiro dos dois atores. Desta vez, a história se passa em Paris, quando eles se reencontram, no lançamento do novo livro de Jesse, que conta alguns detalhes daquele primeiro encontro na Áustria. Como eles têm poucas horas para ficarem juntos, passeiam pela capital francesa enquanto contam sobre suas experiências nesses últimos anos.
O último filme é de 2013, quando os dois já estão casados, são pais de duas meninas gêmeas e estão de férias na Grécia. Mais velhos e diante da rotina avassaladora, os dois mantêm os diálogos afiados, porém, agora, se debruçam muito mais sobre a realidade de um relacionamento maduro e permeado por diversas crises.
E é assim que os três filmes se desenrolam. Com diálogos totalmente calcados na realidade de muitos casais, ou seja, nas relações que surgem quando duas almas se reconhecem e decidem que ficar juntos é possível.
Como Jesse, entre a Áustria e França, havia voltado para os EUA, ele acabou por casar com a namorada que tinha na faculdade e teve um filho com ela. Já Celine voltou a Paris, mas não consegue manter um relacionamento sério com nenhum dos namorados. O encontro dos dois em Paris é decisivo, e é quando Jesse percebe que a vida dele é ao lado da francesa.
O segundo filme é considerado por muitos como o melhor dos três. É aquele momento de muitas decisões e, por isso, os diálogos entre o casal são mais carregados na emoção. Isso, sem falar que tudo o que eles vivem tem Paris – a Cidade Luz - como cenário e isso tem um peso maior.
O diretor Linklater colocou sempre dez anos separando os filmes. Quem sabe se em 2023 não veremos novamente Jesse e Celine em algum lugar do Planeta e já às voltas com o namoro do filho de Jesse? Mas o que importa é que com essa trilogia é possível ver que histórias reais, como as que vivemos no nosso dia a dia, podem – e devem estar – retratadas no cinema, sem retoques, sem exageros, sem ilusões, e apenas baseadas em momentos que qualquer um já viveu ou viverá um dia.

domingo, 17 de julho de 2016

Cineclube da ACCPA apresenta: O Cinema de Roberto Rosselini


EUROPA 51. Com Ingrid Bergman



Como explicar o vazio da vida e a necessidade de fazer algo por outros/nós? É esse o dilema/drama da personagem de Ingrid Bergman.
E Rossellini traduz isso em mais que um filme. Na verdade, “Europa 51” acaba por ser um manifesto humanista sobre os dramas de valores da Europa e das “Europas”, seja em 51 ou qualquer ano anterior ou posterior. Mas mais importante, é que Rossellini faz do filme um autêntico mandamento religioso-social-moral. Leia mais em 

Segunda, 25 de julho, às 7 da noite, no Cineclube Alexandrino Moreira – Casa das Artes. Entrada franca e debate após a exibição
Cine Olympia apresenta

O BOULEVARD DO CRIME, de Marcel Carné

Produzido em circunstâncias difíceis durante a Ocupação, o filme focaliza os infortúnios do amor e a Paris romântica e misteriosa do tempo de Louis-Philippe, mostrando as relações entre a vida e a arte. Por exemplo, no quadro “O namorado da lua”, no meio do qual Baptiste vê nos bastidores Lemaître beijando Garance e ele para repentinamente. 
A realidade se confunde com a representação, o palco com a vida e a vida repete os dramas vividos no palco, segundo o conceito shakespereano (em Como Gostais, ato II, cena VII). Leia mais em www.historiasdecinema.com/2016/06/tributo-a-marcel-carne/
Até 20 de julho, às 18h. 

Entrada franca. Parceria: Aliança Francesa Belém.

domingo, 3 de julho de 2016



Cineclube da ACCPA apresenta:


STROMBOLI, de Roberto Rosselini, Com Ingrid Bergman.




Rossellini filma a vida na remota ilha e, quase como se documentasse em tempo real, mostra-nos momentos marcantes do quotidiano, como a pesca do atum, a erupção vulcânica (que aconteceu de facto durante as filmagens), ou a fuga dos habitantes para os barcos até o vulcão acalmar. Neste contexto Rossellini filma a história de uma mulher, que vem viver para a ilha sem saber o que a espera. Leia mais em
https://ajanelaencantada.wordpress.com/2013/11/22/stromboli-1950/


No Cineclube Alexandrino Moreira. Nesta segunda, às 7 da noite.  
Entrada franca. Debate após a exibição.

Arquivo do blog